Papa: quem não vive para servir não serve para viver

Na homilia, Papa Francisco dedicou sua reflexão a Nossa Senhora e destacou a atitude de servir ao próximo e à Igreja

“Se aprendêssemos a servir e fôssemos ao encontro dos outros, como isso mudaria o mundo!” Foi a consideração com a qual o Papa Francisco concluiu a homilia da Missa desta terça-feira, 31, que narra a visita de Maria a Santa Isabel.papa_missa_600x450

O Santo Padre dedicou sua reflexão a Nossa Senhora, no dia que se encerra o mês mariano. “Serviço e encontro fazem sentir uma alegria que preenche nossas vidas”, disse ele, acrescentando que coragem feminina, capacidade de ir ao encontro dos outros, estender a mão para uma ajuda, solicitude e principalmente, alegria, daquelas que enchem o coração e dão à vida um novo sentido e uma nova direção.

Esse trecho, junto com as palavras do Profeta Sofonias na primeira leitura; e de São Paulo, na segunda, delineia uma liturgia alegre e chega como um vento novo que preenche a vida de todos.

Alegria e cara virada

“É feio ver cristãos com a cara virada. Ser cristão triste é feio! Não são plenamente cristãos. Acreditam que são, mas não o são totalmente. Essa é a mensagem cristã; nessa atmosfera de alegria que a liturgia nos dá de presente, gostaria de ressaltar apenas duas coisas: primeiro, um comportamento; segundo, um fato. O comportamento é o serviço”.

As mulheres: coragem da Igreja

O serviço de Maria é realizado sem incertezas, observou o Papa. Maria, afirma o Evangelho, “dirigiu-se apressadamente”, embora estivesse grávida e arriscasse deparar-se com malfeitores no decorrer da estrada. “Essa jovem, de 16 ou 17 anos, não mais era corajosa. Levanta-se e vai”, acrescentou Francisco.

 

Fonte: Cançao Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *